COMO FUNCIONA O PARLAMENTO JUVENIL DO MERCOSUL NA BOLIVIA?

Em 15 de julho de 2010, o Ministério da Educação e a Corte Nacional Eleitoral (CNE) assinaram uma Carta de Entendimento visando coordenar ações interinstitucionais para a constituição de uma representação estudantil, democraticamente eleita e adequadamente preparada, para participar do Parlamento Juvenil MERCOSUL 2010, resgatando assim as expectativas dos jovens sobre o ensino médio que se quer nos países que conformam o MERCOSUL.

Durante o ano de 2009, a Corte Nacional Eleitoral desenvolveu processos democráticos e eleitorais em 47 estabelecimentos educacionais no nível urbano e rural dos nove departamentos da Bolívia, através do projeto Comunidades Educacionais Democráticas. Dito projeto teve a participação de quase 15.000 estudantes, concretizando assim a eleição de diretorias estudantis para a gestão de 2010.

Na atualidade, o Parlamento Juvenil MERCOSUL é patrocinado pelo Ministério da Educação do Estado Plurinacional da Bolívia, pela Assembleia Legislativa Plurinacional (Câmara dos Deputados e Câmara dos Senadores), pelo Tribunal Supremo Eleitoral (TSE), em coordenação com o Setor Educacional do MERCOSUL e com apoio do Projeto do Fundo de Cooperação para o Desenvolvimento (FCD ex FEMCIDI) da Organização dos Estados Americanos (OEA).

Como é feita a implantação Parlamento Juvenil MERCOSUL?

O público alvo do Parlamento Juvenil são os estudantes do 2º ao 5º ano e seu escopo é a participação e representação da Escola de Ensino Médio de todos os estabelecimentos públicos, privados e conveniados de Educação Regular do Sistema Educacional Plurinacional. Não participam do concurso estudantes do último ano do ensino médio, dado que os Parlamentares Juvenis deverão ter dois (2) anos de indicação como Parlamentares para trabalhar durante seu mandato em suas unidades educacionais, conforme acordado nas reuniões do Grupo de Trabalho do Parlamento Juvenil MERCOSUL.

O Primeiro Parlamento Juvenil MERCOSUL em nível nacional aconteceu na cidade de La Paz, nos dias 13 e 14 de outubro de 2010. Teve lugar uma Sessão de Honra na Assembleia Legislativa Plurinacional e houve atividades no Ministério da Educação, no escritório da Secretaria Geral da OEA na Bolívia e no Tribunal Supremo Eleitoral.

Uma Carta de Entendimento foi firmada em conjunto entre a Corte Nacional Eleitoral e o Ministério da Educação em 15 de julho de 2010, visando coordenar ações interinstitucionais para a constituição de uma representação juvenil democraticamente eleita e adequadamente preparada para o Parlamento Juvenil, resgatando suas expectativas sobre o ensino médio.

Em tal sentido, durante 2012, foi lançado um Concurso Nacional mediante as Diretorias Departamentais da Educação e suas Unidades Educacionais dependentes do ensino médio, as Diretorias Departamentais Eleitorais, e as Câmaras dos Deputados e Câmaras dos Senadores para a ampla divulgação do Concurso Nacional para selecionar dois representantes parlamentares juvenis (um titular e um substituto) por cada um dos nove departamentos.

Durante 2014, o Tribunal Supremo Eleitoral realizou eleições nas unidades educacionais da Bolívia, nos nove departamentos, junto dos Governos Estudantis e em parceria com a Confederação dos Estudantes de Ensino Médio da Bolívia, e com o apoio das Direções Departamentais da Educação.

Desde então, o processo de seleção de parlamentares na Bolívia é realizado através de eleições democráticas nas unidades educacionais, posteriormente aos encontros departamentais, e deste modo dois delegados, um titular e um substituto, são acreditados por departamento no processo perante o Ministério da Educação pelo Tribunal Supremo Eleitoral – SIFDE.

Durante o ano de 2015, os parlamentares juvenis do MERCOSUL realizam suas atividades locais, a veiculação e trabalho com os jovens do ensino médio, os quais possuem a tarefa de continuar debatendo sobre os seis eixos do Programa, além de realizar ações buscando a melhoria da “educação de ensino médio que queremos”.

Delegações Nacionais do PJM

Os primeiros PJM da Bolívia 2010-2012 foram:

1. Franklin Alejo Chambilla (La Paz)
2. Isabel Paredes (La Paz)
3. Adrián Reynaga (Potosí)
4. Mayerly Díaz (Pando)
5. Carola Ayoroa (Beni)
6. Romina Lijerón (Santa Cruz)
7. Andrea Celaye Toro (Santa Cruz)
8. Yanina Bautista (Tarija)
9. Mauren Maturano (Chuquisaca)
10. Demetrio Camacho (Cochabamba)

Os Parlamentares Juvenis 2012-2014 foram:

11. Marcela Kruger Royer (Pando
12. Carla Andrea Zabala Suárez (Pando)
13. María Fernanda Sattori Roca (Beni)
14. Elimelina Camiña Portales (Beni)
15. Thierry Denisse Cáceres Orozco (Santa Cruz)
16. Yesica Mamani Ordoñez (Santa Cruz)
17. Sonia Rivera Morochi (Cochabamba)
18. Juan Daniel Sinchi Martínez (Cochabamba)
19. Brenda Yubrany Flores Herrera (Chuquisaca)
20. Claudio Guarayo Llacsa (Chuquisaca)
21. Florencia Andrea Avila Terzo (Tarija)
22. Marco Augusto Gutiérrez Rivera (Tarija)
23. Diego Ignacio Velásquez Luna (La Paz)
24. Cybele Salma Verazaín Zuazo (La Paz)
25. Lizzeth Pamela Sullcani Maíz (Oruro)
26. Guillermo Goosen López Irahola (Oruro)
27. Edgar Wilfford Miranda Alvino (Potosí)
28. Rolando Cueto Flores (Potosí)

Os PJM Bolívia 2014 – 2016 escolhidos e em exercício são:

1. Elias Alonso Cruz Galvez (Tarija)
2. Loyda Flores Espinoza (Cochabamba)
3. Annel Manu Mojica (Pando)
4. Mesly Niusvely López Silva (Pando)
5. Jorge Antonio Patty Guzmán (Oruro)
6. Stephanie Guarachi Ayala (Oruro)
7. Zaida Yucra Meras (Chuquisaca)
8. Alfredo Fernández Caraballo (Chuquisaca)
9. Nataly Elizabeth Elias Berrios (Potosí)
10. Mirko Michovich Gonzales (Potosí)
11. Juan Carlos Rondo Mamani (La Paz)
12. Dayana Nicole Durán Quispe (La Paz)
13. Lilian Dayana Carrasco Peña (Santa Cruz)
14. Jose María Menacho Roca (Santa Cruz)
15. Johan Novay Delgadillo (Beni)