CÓMO FUNCIONA O PARLAMENTO JUVENIL DO MERCOSUL NA ARGENTINA?

O programa Parlamento Juvenil do MERCOSUL na Argentina busca a constituição de um espaço de reflexão e propostas sobre a inclusão e a educação de qualidade e é integrado por jovens representantes das províncias.

O Programa é impulsionado pela Direção Nacional de Cooperação Internacional e a Direção Nacional de Políticas Socioeducacionais do Ministério da Educação da Nação.

No nosso país, além do mais, são fomentadas e financiadas propostas socioeducacionais realizadas pelos estudantes, e se geram instâncias de formação e intercâmbio para os docentes que fazem parte da execução do projeto, com a finalidade de refletir sobre a prática que eles levam adiante.

Como é feita a implantação o Parlamento Juvenil MERCOSUL?

Diferentemente dos demais países, o nosso país celebra anualmente o encontro nacional do Parlamento Juvenil MERCOSUL e participa, bianualmente, da instância regional.

A implantação desse Programa no nível nacional é realizada em duas grandes etapas, uma provincial, em que cada jurisdição realiza uma convocatória aberta às escolas para a participação no projeto, e outra nacional, cujo resultado é um documento único refletindo os debates e discussões acontecidos a respeito do processo de trabalho áulico.

Nas instâncias provinciais são exibidos projetos e pesquisas sobre assuntos diversos, fazendo foco nos eixos formulados do PJM e com as particularidades locais. Assim, cada província elabora um documento expressando qual é a escola de ensino médio que querem os jovens e é formulada uma agenda de prioridades para toda a comunidade educacional.

No decurso das jornadas nacionais, os estudantes trabalham, em diferentes comissões, os eixos temáticos propostos (inclusão educacional, gênero, jovens e trabalho, participação cidadã, direitos humanos e integração da América Latina), analisados partindo do lema “Qual é o ensino médio que queremos?”.

Para além desses eixos temáticos, os estudantes podem sugerir outros assuntos, tal como aconteceu na edição de 2011 do nosso país, cuja divisa também foi “Participar é a tarefa”, em que foram levados a cabo debates sobre Comunicação e Mídia, Participação e Centros de Estudantes, Direito à Saúde e Direitos Humanos.

Como resultado do Encontro Nacional do Parlamento Juvenil do MERCOSUL, que teve a participação de entre 1000 e 1500 jovens e 300 professores de todo o país, dependendo da edição, é construído o documento que representará à Argentina na instância regional do Parlamento Juvenil do MERCOSUL.

Cada província é representada através de 20 estudantes e, por sua vez, escolhe 1 desses 20 para ser o representante provincial na instância regional, celebrada a cada 2 anos, geralmente na sede do Parlamento MERCOSUL.

O Parlamento Juvenil MERCOSUL e seu desenvolvimento

Na Argentina, o projeto foi lançado e a primeira atividade teve lugar na cidade de Posadas, Província de Misiones, em 23 de outubro de 2009.

Desde o início e até os dias de hoje, o PJM tem conseguido incluir uma quantidade a cada vez maior de jovens e de escolas, gerando assim mesmo novas iniciativas que fortaleceram ditos espaços de participação, que se traduziram em ações concretas tais como a criação, em 2012, dos Projetos Socioeducacionais Juvenis e no Ateneu Virtual Docente, ambos orientados ao fortalecimento e extensão das experiências do Parlamento.

Os Projetos Socioeducacionais foram criados para o fortalecimento dos laços escola-comunidade, para gerar uma instância prática de concretização de projetos para a comunidade pensados da escola e como consequência direta dos debates surgidos do Parlamento. Até 2015, foram promovidos 1000 projetos socioeducacionais apresentados por Centros de Estudantes de escolas públicas estatais.

O Ateneu Virtual Docente foi criado com o objetivo de oferecer ferramentas conceituais e práticas, de intercâmbio e reflexão para os professores que acompanham as atividades do PJM, na escola e na comunidade.

Além do mais, todos os anos, e em parceria com as diferentes áreas de influência, foram se somando ao Parlamento as diferentes modalidades existentes dentro da escola média. Portanto, em 2012, começou a articulação do projeto com escolas no Contexto de Pessoas Privadas de Liberdade, com escolas para Jovens e Adultos e com escolas para Pessoas Portadoras de Necessidades Especiais. No mesmo espírito, a inícios de 2014, celebrou-se um acordo entre o Ministério da Educação e o Ministério da Defesa para somar ao Parlamento Juvenil do MERCOSUL nove Liceus Militares e o Instituto Social Militar.

As Mesas de Gestão Juvenil e os nossos ex parlamentares

Em 2013 começou o desenvolvimento das Mesas de Gestão Juvenil, como resultado da demanda de ex parlamentares que sentiam necessidade de continuar ligados ao Programa, questão resolvida mediante a criação de tal iniciativa.

As Mesas de Gestão Juvenil funcionam como nexo entre autoridades provinciais e estudantes de cada uma das escolas e garantem a participação democrática dos estudantes em todo o processo dentro da escola.